.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. RASTREIO AUDITIVO NEONATA...

. MIELOMA MÚLTIPO

. "A DOR MENTE"

. MAIS BENEFÍCIOS DO CAFÉ

. SEMANA DA INCONTINÊNCIA U...

. HIV E SIDA

. BOAS FESTAS

. SUGESTÕES DE TEMAS?

. HIPERPLASIA BENIGNA DA PR...

. ENDOMETRIOSE

.arquivos

. Junho 2012

. Janeiro 2012

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

OS PERIGOS DAS DIETAS VEGETARIANAS

 

Ser vegetariano está na moda. É uma forma de mostrar um cuidado com a alimentação e com o corpo. No entanto, e apesar das vantagens, que podem advir desta alimentação, existem vários cuidados a ter.

Um dos principais riscos da dieta puramente vegetariana (ao contrário da dieta lacto-ovo-vegetariana) é uma desnutrição proteico-calórica, ou seja, a dificuldade em obter proteínas e calorias suficientes a uma vida saudável.

As calorias presentes nos vegetais e frutas, cerca de 30-50kcal por cada 100g, são muito menores que as das carnes, em que cada 100g de carne tem cerca de 150 a 300 kcal. No entanto, a dieta vegetariana até pode ser benéfica em termos calóricos, já que permite uma diminuição do peso corporal.

Já no que toca as proteínas, o caso revela-se mais sério. Por um lado, a maior parte dos ingredientes destas dietas contém muito menor quantidade de proteínas (1-2g em cada 100g), do que a alimentação à base de carne e peixe (15-20g de proteínas em 100g). Além disso, a maior parte das proteínas vegetais tem baixo valor biológico e algumas proteínas de origem vegetal são digeridas de forma incompleta pelo organismo humano.

Estes riscos assumem relevante importância em determinados grupos de risco, como as crianças, as mulheres grávidas e as lactantes. Por exemplo, enquanto que um adulto requere diariamente cerca de 0,8g de proteínas e 40 kcal por kg do seu peso corporal (um homem de 72kg necessita diariamente de 58g de proteína diária), uma criança pequena tem o dobro ou o triplo das necessidades. Da mesma forma, uma mulher gestante necessita de uma quantidade adicional de 10g de proteína e 300kcal por dia e uma lactante necessita de 15g de proteína e 300kcal extras diariamente.

Assim, este grupo de risco está particularmente sujeito à desnutrição proteico-calórica, quando pratica uma dieta exclusivamente vegetariana. Além disso, filhos de mães vegetarianas têm geralmente menor peso ao nascer e crianças vegetarianas apresentam um desenvolvimento mais lento nos primeiros 5 anos, relativamente a crianças com uma dieta mista.

No caso de crianças pequenas vegetarianas é fundamental conseguir as calorias e proteínas suficientes a um crescimento saudável. Isto pode ser conseguido pela inclusão de ovos e leite na dieta (são excelentes fontes de calorias e proteínas de alta qualidade), alimentos vegetais com alta densidade calórica, como noz, grão, feijão seco e frutos secos e alimentos vegetais ricos em proteínas com padrões de aminoácidos complementares. É fundamental ter o cuidado de incluir na dieta os aminoácidos essenciais (aminoácidos que o organismo humano é incapaz de produzir, podendo apenas ser obtidos pela dieta), já que enquanto que a maioria das proteínas animais contém, geralmente, todos os aminoácidos essenciais, nas proteínas vegetais faltam um ou mais destes aminoácidos. A chave é sempre uma alimentação ponderada em que, por exemplo, se se combinar o milho (deficiente em lisina) com legumes (deficientes em metionina, mas ricos em lisina), se conseguem compensar as falhas da alimentação vegetariana.

Concluindo, ser vegetariano deve ir muito além de uma mera tendência ou moda e não é apenas comer vegetais e banir o resto da alimentação. Ser vegetariano passa, necessariamente, por um planeamento cuidado da alimentação e pelo conhecimento das necessidades básicas do nosso organismo.

publicado por Dreamfinder às 17:58

link do post | comentar | favorito
15 comentários:
De O_Resistente a 26 de Novembro de 2007 às 23:46
Olá boa noite,parece que a Drª está a acertar com temas
que me dizem sempre qualquer coisa.
Conheço um individuo,que frequenta o mesmo café que eu,e há meio ano pesava cento e tal kgs,já algum tempo que não o via(cerca de 1 mês e tal).Um dia destes encontrei-o no café.nem o conheci á 1ª,não me recordo
quantos Kgs emagreceu,mas foram mesmo muitos,cara e tudo.Falei com ele e disse-lhe qual o "milagre",ele disse que foi a Nutricionista que lhe indicou uma dieta vegetariana.
Voltei a encontrá-lo novamente entrou pelo café a dentro todo nervoso a falar com o dono do café,que nem consegui perceber nada do que ele estava a dizer.
Conclusão acho que está afectado do sistema nervoso e falei com o dono do café que até disse que está pirado.Não tenho confiança suficiente com ele,mas desconfio que não andou em Nutricionista nenhuma,mas já o vi a comer em para ai 2 minutos um prato de vegetais e beber uma Cola Zero.
O que acha deste comportamento? Devo dizer-lhe que é um jovem com vinte e tal anos.
Obrigado,mais uma vez e bem haja,
Carlos
De tixa a 30 de Novembro de 2007 às 19:35
olaaa
hehe eu disse-te k voltava a aparecer

quanto ao teu blog agr tive a velo com mais atenção ta 5* msm.. a maneira cm explikas as coisas torna tudo mt preceptivel a kem n tem conhecimentos tao aprofundados cm os teus.. aki esta uma maneira mt generosa de transmitires akilo k sabes e dares o teu contributo pare kem ker aprender ou para kem possa ter algum problema.

o meu mail é patricia627@hotmail.com xpero k me adiciones para podermos falar melhor

beijox****
De Escola de Yôga - Método DeRose a 3 de Dezembro de 2007 às 23:44
Olá!

Visite www.yogamadora.com e conheça as nossas sugestões vegetarianas para uma excelente alimentação... bem gostosa.

SwáSthya!
De Fabio Chaves a 12 de Janeiro de 2008 às 17:03
Obrigado por abordar o tema.

Sou vegetariano há dois anos e não emagreci, pelo contrário, engordei 5 kg e estou em minha melhor fase quanto à imunidade, estou sendo sincero.

Realmente se uma pessoa come arroz, feijão e bife, ela não pode simplesmente tirar o bife, há de se descobrir a outra área do supermercado e ver que existem delícias saudáveis e sem carne, inclusive congelados da Perdigão e Sadia por exemplo.

Para mais informações sobre o tema, por favor me procurem:

E-mail: fabiochaves.net@gmail.com
Site: www.vista-se.com.br

O que um vegetariano come?
www.vista-se.com.br/blog
De Renata a 12 de Janeiro de 2008 às 17:45
Também sou vegetariana; há quatro anos, há 3 não consumo ovos e os derivados de leite venho diminuindo ao longo dos anos, sendo que há meses não consumo.
Não perdi peso e sequer tônus muscular.
De Renata a 12 de Janeiro de 2008 às 17:36
Discordo em absoluto que haja maior risco na dieta vegetariana do que em qualquer outra dieta mal planejada.

Especialmente no tocante à proteína, já que a ingestão de combinações como cereais +leguminosas, cereais com oleaginosas (ou laticínios) e sementes com leguminosas provém todos os aminoácidos essenciais, sendo irrelevante a questão do alto ou baixo valor biológico.

O fato é que, em média, apenas 8,3% das calorias diárias devem vir em forma do macronutriente proteína. Soja e seus derivados, feijões, favas, lentilhas, grão de bico, oleaginosas e alga Kombu são ótimas fontes de proteína, por exemplo. Combinadas com cereais, preferencialmente integrais, fica claro que o vegetariano tem uma dieta muito mais variada também em termos de micronutrientes, fibras e susbtâncias funcionais, com baixa quantidade de gordura saturada, zero colesterol...

A preocupação com a ingestão de proteína na dieta vegetariana é um mito há muito derrubado, já que essa dieta não oferece nenhum risco maior do que qq tipo de dieta.

Entidades como a American Dietetic Association já firmaram posição favorável à dieta vegetariana ou vegana, em qualquer fase da vida (gestação, lactação, toda a infância, adolescência, idade adulta e velhice). Da mesma forma, a previsão da dieta vegetariana se encontra na nova pirâmide alimentar elaborada pelo USDA - United States Department of Agriculture.

Além disso, a ingestão de carnes trás riscos graves também (sem sequer citarmos a questão ética). Recente estudo do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos com 500.000 voluntários ao longo de 8 anos concluiu pela existência muito maior de risco de diversos tipos de desenvolver tumores e câncer pelos consumidores de carne vermelha.

Recomendo para leitura:
http://roctaviani.multiply.com/journal/item/19
http://roctaviani.multiply.com/journal/item/40
http://www.eatright.org/cps/rde/xchg/ada/hs.xsl/advocacy_933_ENU_HTML.htm
http://www.mypyramid.gov.br
http://br.noticias.yahoo.com/s/080112/48/gjiyw6.html

Atenciosamente

Renata
De mario a 8 de Setembro de 2008 às 18:07
so a maneira como comeca este post demonstra a maneira como encara a dieta vegetariana e os que a seguem 'Ser vegetariano está na moda. É uma forma de mostrar um cuidado com a alimentação e com o corpo"
eu optei por uma dieta vegetariana por nenhum de os motivos acima descritos mas sim pela exploracao a que os animais estao sujeitos e deixe que lhe diga que nao emagreci, mantenho o meu peso que e um pouco acima do que deveria ter.
peco desculpa pela falta de pontuacao mas o meu teclado esta com alguns problemas
De Fran a 9 de Outubro de 2008 às 13:54
Tá escrito aí:
"Um dos principais riscos da dieta puramente vegetariana (ao contrário da dieta lacto-ovo-vegetariana) é uma desnutrição proteico-calórica, ou seja, a dificuldade em obter proteínas e calorias suficientes a uma vida saudável"....
an?
Este post está baseado em poucos fatos né?
Pois já foi desvendado o mito da soja... mas ainda tem gente que pensa num pálido, esverdeado e com uma alface embaixo do braço... eu hein!!!
Tem coisa que é melhor estudar mais...
bjs Fran
De Ariana e Renata a 13 de Outubro de 2008 às 15:21
Olá boa tarde,nós somos alunas do Colégio Teresiano Braga e estamos a fazer um trabalho para a escola sobre o Vegetariansmo.
*Para ser vegetariano não se pode comer peixe?
*Nos vegetarianos o que substitui a carne?

Gostaríamos muito que respondessem ás nossas perguntas.
Comprimentos:Ariana e Renata.
^.^
De Mariana a 14 de Outubro de 2008 às 19:35
As proteínas são compostas de aminoácidos, 12 dos quais produzidos
pelo corpo humano. Outros, conhecidos como aminoácidos essenciais,
precisam ser obtidos através da alimentação. A maioria dos alimentos de
origem animal, como a carne e os laticínios, contém todos os nove
aminoácidos essenciais e por essa razão foram considerados fontes de
proteínas completas. Isso é uma distorção, porque a maioria das
proteínas dos vegetais também contêm os aminoácidos essenciais.
Agora, esta é a parte que realmente se torna confusa. AS PROTEÍNAS
QUE NÓS COMEMOS NÃO SÃO USADAS COMO TAL. Elas são degradadas nesses
aminoácidos produzidos pelo organismo e mesmo mais aminoácidos da
degradação metabólica das proteínas dos tecidos - um processo conhecido
como catabolismo. Dessa enorme quantidade de aminoácidos, novas
proteínas específicas são geradas para serem usadas pelo nosso
organismo.
Portanto, NÃO FAZ A MENOR DIFERENÇA DE ONDE VÊM ESTES AMINOÁCIDOS,
DE FONTE VEGETAL OU ANIMAL. Assim, o velho mito de que os vegetarianos
teriam de combinar cuidadosamente os alimentos para assegurar a ingestão
de proteínas completas não faz sentido. Em linhas gerais, qualquer
variedade de vegetais fornece quantidades adequadas de aminoácidos
essenciais. Não haverá deficiência protéica numa dieta vegetariana,
desde que se consumam calorias suficientes.
O que realmente faz diferença, entretanto, é se essas fontes de
aminoácidos são ou não excessivas - o que acontece quando sua origem é
animal. Na América e em outras nações ocidentais, mais de 2/3 das
proteínas são obtidas da carne e dos laticínios. O consumo protéico,
portanto, é excessivo, freqüentemente entre 100 e 200 gramas por dia(!),
quando a quantidade indicada para a maioria dos adultos seria de 50 a 60
gramas. Os consumidores de carne e laticínios estão entupidos de
proteínas, fato que pode explicar uma série de desordens, como doenças
renais, cardíacas, câncer e osteoporose. Estas doenças são praticamente
desconhecidas por 2/3 da população mundial, incluindo as pessoas que
vivem nas regiões rurais da China e do Japão, que ingerem 90% de suas
proteínas das fontes vegetais.
De Juliano a 3 de Maio de 2009 às 00:55
É impressionante as baboseiras que se diz sobre o Vegetarianismo. E isso deve-se à mescla de ignorância e preconceito. Sou vegetariano há tempos, quase 10 anos (tenho 26). Sofri natural aumento de peso e nunca tive problema de saúde relacionado com a minha dieta. E como eu, são dezenas de outros vegetarianos e vegans que conheço. Parece que há uma dificuldade enorme na maioria das pessoas em aceitarem o Vegetarianismo, porque criam-se mitos ridículos e infantis sobre algo perfeitamente simples de se compreender para quem o quiser.

Bem, sugiro que ao invés de difamar uma prática alimentar saudável e recomendável, procure discernir sobre os perigos de uma dieta carnívora. Nesse caso são muitos e bem evidentes. Para como as pessoas não gostam de fazer auto-críticas e encontrar o que há de errado com elas próprias, preferem perseguir aqueles que se desfazem de comportamentos padronizados e irracionais. Afinal, porque se come carne? Já procuraste questionar isso?
De claudia lulkin a 3 de Junho de 2009 às 19:42
Aproveito a "carona " de meus amigos vegetarianos e veganos , estou na Biblioteca da PUC de Porto Alegre, aprofundando o tema dos Aminoácidos para apresentação no 12 international vegan festival, no Rio, em julho ...Encontro um livrinho do Dr. Attwood - "Dieta vegetariana para pais e filhos- o médico responde", e uma matéria no "The American Journal of Clinical Nutrition "vol 59 1994 "Plant protein in relation to human protein and aminoacid nutrition ". Assim como já colocado por outro colega neste blog, uma alimentação que contenha cereais integrais, leguminosas, MUITAS SEMENTES (castanhas, cajus, nozes, linhaça, gergelim, girassol), frutas, verduras, brotos...produzidos em agricultura ecológica vão garantir vida longa!!!!
E saudável!
Tenho 53 anos, 25 lacto-veg , hoje vegana ...
Muitos animais ficaram a salvo por minha conduta alimentar.
O vegetarianismo não é uma MODA, é uma URGêNCIA com o Planeta, ainda considerando que o Brasil está perdendo grande parte de sua biodiversidade pelas agressões ambientais consequência da dieta centrada nos hamburguers and cheeseburgers . Frances Moore Lappé (Dieta para um Pequeno Planeta) chamava a "RELIGIÃO DO GRANDE BIFE AMERICANO"! claudinha
De Pedro Garcia a 28 de Outubro de 2015 às 18:35
Opinião desinformada.
Sou vegetariano estrito à quase 2 anos, nem perdi peso nem ganhei, nem tenho falta de energia (antes pelo contrario, tenho mais), nem tenho qualquer deficiência nutricional.
As ultimas análises (que foram extensivas, exactamente porque agora sou vegetariano e queria ver se estava tudo bem), foram brilhantes: pela 1ª vez em anos, tenho tensão arterial perfeita, níveis de colesterol baixos e controlados, triglicéridos na medida certa.
Entretanto, conheci uma enorme comunidade de vegetarianos, e nenhum tem dificuldades proteicas.
Informe-se devidamente.
Essa opinião, está errada.

Comentar post

.links